quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Como vai ser o Mundo sem a energia nuclear



Após o desastre em Fukushima, com o vazamento radioativo em reatores de usina japonesa afetada por um terremoto e tsunami em marco , o mundo tende cada vez mais temerosos de abandonar a energia nuclear.
A Suíça foi o último a rejeitar o uso da energia nuclear no país. Na quarta-feira as duas câmaras do parlamento aprovou a nova medida e proibiu a construção de novas usinas nucleares. Além disso, cinco usinas já existentes serão desclassificadas antes de 2034.
Suíça recebe atualmente 40% de sua energia através de usinas de energia nuclear e os restantes 60% leva-lo para fora de usinas hidrelétricas, entre outras fontes.
A decisão da Confederação vem após o anuncio da Alemanha que vai fechar suas usinas nucleares até que todos estejam inativos em 2022.
O caso da Argentina
Enquanto isso, o presidente da Argentina Cristina Fernandez de Kirchner, acaba de lançar o Atucha II usina nuclear com um investimento de 2,405 milhões de dólares, nos arredores de Buenos Aires, a terceira construída no país.
"Queremos ser um líder no uso pacífico da energia nuclear líderes, não-proliferação", proclamou Fernandez inaugurou o centro. A nova fábrica utiliza urânio natural como combustível.
Mas o Greenpeace insiste que "apostar na energia nuclear dentro de alguns meses da tragédia de Fukushima é verdadeiramente irresponsável do ponto de vista ambiental."
Espanhol Nuclear Society Estado chama pacto para a energia
Em um momento de crise econômica é especialmente necessário para chegar a acordos sobre questões estratégicas de Estado, como a energia ou água, disse o presidente da Sociedade Espanhola Nuclear (SNE), Lola Morales, no contexto da abertura da reunião anual XXXVII do PND, que é realizada ao longo de três dias a Burgos.
Presidente do Conselho Nuclenor Management, que detém a usina nuclear em Burgos, Javier Pinedo, advertiu, por sua vez, deixar essa energia seria um "enorme irresponsabilidade" em face das gerações futuras.
ElBaradei: "O mundo não pode prescindir da energia nuclear"
O ex-diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e prêmio Nobel da Paz de 2005, Mohamed ElBaradei, disse que o acidente não vai parar de Fukushima construção do reator.
ElBaradei, que dirigiu a AIEA 1997-2009, ressaltou que não haverá hesitação em fechamento de fábricas antigas, cuja segurança não pode ser melhorado, mas disse que é impossível de fazer sem a energia nuclear, que faz com que 14% da eletricidade em 2050 em todo o mundo e irá fornecer 24%.
"A energia nuclear fornece cerca de independência energética. O fato de que as folhas depende de carvão, petróleo e gás, cujos preços sobem drasticamente. Mil 500 milhões de pessoas não têm acesso à eletricidade, e sem os quais nenhum desenvolvimento", proclamou o especialista, que também vê a energia nuclear como parte da solução para o aquecimento global.

Nenhum comentário:

Postar um comentário